Entrevista com a diretora de Tigers Are Not Afraid

February 20, 2018

Antes da estreia no Reino Unido de Tigers Are Not Afraid no Horror Channel FrightFest Glasgow 2018, a diretora Issa López conta a Film News sobre sua jornada da Sesame Street do México para a criação de um longa-metragem admirado internacionalmente e porque o gênero de terror sempre foi sua paixão.

 

Você poderia nos contar sobre o seu histórico de carreira que antecedeu Tigers Are Not Afraid?

 

Meu primeiro trabalho pago na área era escrever e dirigir segmentos para o Sesame Street mexicano. Eventualmente, mudei para escrever novelas, ou Telenovelas, como são conhecidas no México. Trabalho terrível, mas frequentemente uma escola para escritores. Levou cerca de cinco anos para encontrar meu caminho nos filmes: escrever comédias românticas. Demorou um tempo para convencer os produtores que eu poderia me dirigir, e que não queria dirigir as comédias românticas pelas quais eu era conhecida, mas comédias muito cáusticas. Eu dirigi duas dessas. Eu sei, nada disso parece levar a Tigers, mas, na verdade, isso aconteceu: o gênero (terror) sempre foi minha paixão e tantos anos, páginas e cenas sem ele me empurraram para entrar na fantasia completa, com Tigers.

 

Tigers é muito diferente de suas obras anteriores. Quais foram suas inspirações para o filme?

 

Tantas... É uma muito estranha, muito honesta mistura de paixões. De Goonies e Stand by Me para Los Olvidados, de Buñuel, e claro, os dois filmes espanhóis de Del Toro.

 

As performances no filme são simplesmente sensacionais, especialmente Paola Lara como Estrella. Como foi o processo de casting e como você achou de trabalhar com os jovens atores?

 

Nós vimos 600 crianças para encontrar estas cinco. Era exaustivo, empolgante e de partir o coração, tudo ao mesmo tempo. É difícil dizer não às crianças, e foi muito divertido assisti-los improvisar ... para a rodada final, alistamos a ajuda da guru da atuação Fátima Toledo, o gênio brasileiro por trás das performances em 'Cidade de Deus'. Fátima e eu fomos juntas pelos vinte finais para escolher os cinco. Concordamos com a maior parte disso, discordamos em alguns e acabamos muito felizes com nossas escolhas. Eu amo todos, e foi uma alegria estar com eles na preparação e nas filmagens.

 

O filme tem um belo visual, foi muito difícil de conseguir e como você definiu isso?

 

Obrigada! Para cada projeto, mesmo ao escrever, eu começo a criar infinitas tabelas de referências visuais que eram a espinha da aparência e do universo que você viu na tela: esse tipo de cidade fantasma retomada por crianças e por mato. Para recriá-lo, recrutei a ajuda de dois incríveis artistas: Juan José Saravia, meu Diretor de Fotografia, que imediatamente entendeu o que eu queria. Juntos, encontramos esse sentimento de um sexto filho na gangue: nós. A câmera, escondendo, correndo, brincando com a gangue de Shine. E então, é claro, há Ana Solares, cuja Produção de Design não só capturou o que eu queria, mas, na verdade, trouxe para a mistura elementos tão centrais para a história como o grafite. Acabei incluindo isso no roteiro.

 

Quais experiências pessoais você extraiu para fazer o filme?

 

Perdi minha mãe quando tinha oito anos. Claro, em circunstâncias que, felizmente, estavam muito longe da brutalidade do que acontece com meus personagens e com tantas crianças no México - e no mundo. Mas ainda assim, essa sensação de voltar para casa da escola um dia e nunca mais ver a sua mãe de novo, nunca tendo a chance de dizer adeus, nunca ver um corpo, um caixão ... Dá a sensação de um fantasma seguindo você, esperando por você olhe para isso e reconheça a morte. Daí Tigers.

 

Como o público reagiu ao filme, tanto em casa, como internacionalmente? Você deve estar encantada com Stephen King dando uma avaliação tão brilhante via Twitter ... para citá-lo: "Este é um filme fantástico, tanto duro quanto emotivo. Em dois minutos, eu estava sob seu feitiço".

 

Foi absolutamente incrível! EU AMO sentar nos cinemas pelo mundo e experimentar o impacto emocional que o filme tem através de culturas tão diferentes e como as diferenças se derretem quando a história e os personagens se desenrolam. As pessoas choram. Muito. E é um sentimento tão emocionante e incrível, saber que o que começamos tentando, na verdade, aconteceu. É terrível dizer que é bom fazer as pessoas chorarem?

 

A reação do Sr. King e do Sr. Del Toro ... como descrever o sentimento de ter seus heróis pessoais dizendo o quão bem você fez? Ainda não consigo acreditar, honestamente.

 

Você está ansiosa para a exibição no FrightFest Glasgow?

 

Estou morrendo de vontade de ver como ele se sai na Escócia! Você está brincando comigo?

 

Qual é o estado atual da indústria cinematográfica no México atualmente, eles geralmente apoiam projetos do gênero?

 

Não. O público mexicano, nos últimos cinco anos, tem demandado e consumindo comédia, quando se trata de produção local. Não é surpreendente, considerando a violência em que estamos submersos agora. Então, mesmo que os mexicanos adorem o gênero ... nós o importamos. Absurdo, certo? Espero que isso mude em breve.

 

Quais filmes este ano chamaram sua atenção?

 

Oh, tantos! Que ano! Especialmente para o gênero. É quase inútil dizer que filme é The Shape of Water Que maturidade, coração, originalidade ele tem e quão pertinente para o momento em que todos estamos. Mas, então, há A Ghost Story, que me fez chorar tanto, Thelma, It Comes at Night e Blade Runner 2049, é claro, condenado a se tornar um clássico cult, como o original ... e logo um par de joias fazendo o Fest Circuit estará disponível para todos, como Lowlife e The Endless.

 

O que vem a seguir para você? Você ficará dentro desse gênero ou talvez retornará em algum momento?

 

Eu vou para FrightFest, então voarei para casa para estrear uma comédia. Depois de Tigers, eu precisava de uma boa risada, e eu tive. É chamado de Todo Mal e é um pouco quebrador de gênero, mas um bicho bem diferente. A seguir? Todos os gêneros. Estou brincando com dois projetos que eu amo bastante. Mais sobre eles em breve ...

 

Confira o trailer de Tigers Are Not Afraid

 

 

Fonte

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

RODRIGO CANDELOT FALA SOBRE “ÉDIPO E O REI, UM ACIDENTE MITOLÓGICO”

June 1, 2018

1/6
Please reload

Posts Recentes